Área de imprensa

Informações sobre autores, lançamentos e catálogo:

editora@fgv.br (21) 3799-4426/4427/4428/4429

Releases / Lançamentos

  • E agora, Rio?: Um estado em busca de um autor
    E agora, Rio?: Um estado em busca de um autor

    FGV Editora lança obra sobre a história política do estado do Rio de Janeiro

    Livro de Marly Motta analisa os diferentes projetos dos atores políticos cariocas e fluminenses desde a fusão do estado da Guanabara até os dias atuais

     

    O livro E agora, Rio?: um estado em busca de um autor, da historiadora Marly Motta, abrange a história política do estado do Rio de Janeiro no período entre 1975 e 2021. A obra não é um levantamento dos sucessos e fracassos da fusão, nem um histórico dos malfeitos de membros dos três poderes ao operar a máquina governamental do estado, menos ainda um balanço das perdas infringidas à cidade do Rio de Janeiro ao perder o status de estado da Guanabara.

    Como estudiosa da política carioca e fluminense, Marly Motta aceita o desafio de tentar entender a prisão de cinco ex-governadores – Moreira Franco, Garotinho, Rosinha, Sergio Cabral e Pezão – e o impeachment do governador eleito em 2018, Wilson Witzel, e analisa, nesta obra, as diversas experiências políticas que tiveram o estado do Rio como laboratório ou palco, onde diversos autores testaram projetos que se revelaram incapazes de atender à questão de raiz: ser o autor que o estado buscou desde a fusão.

    Ao longo de oito artigos, a autora discute as várias respostas que foram dadas por aqueles que buscaram serem reconhecidos como autores/criadores do “novo” Rio de Janeiro, resultado da união de dois estados com histórias e trajetórias político-institucional bem diferentes.

    De acordo com a autora, escrever sobre o Rio de Janeiro com uma pergunta - E agora, Rio? -,  demonstra um tom de ansiedade e impaciência que invade o coração e a mente dos habitantes desta cidade e deste estado; assim como tenta buscar respostas sobre tantos eventos ocorridos em um estado com menos de 50 anos. A obra marca a conclusão da trilogia de estudos sobre o Rio de Janeiro, iniciada com sua tese de 1997, O Rio de Janeiro continua sendo…: de cidade-capital a estado da Guanabara e continuada com o livro Saudades da Guanabara (2000).

     

    Para marcar o lançamento desta obra, vamos promover um bate-papo da autora Marly Motta, com a professora Marieta de Moraes Ferreira e o jornalista Thiago Prado, no dia 11 de maio, quarta-feira, às 19h, na Blooks Livraria.

     

    E agora, Rio?: um estado em busca de um autor

    Marly Motta

    FGV Editora

    180 páginas

    Impresso: R$47,00

    Ebook: R$33,00

     

    Lançamento: 11/5/2022, às 19h.

    Blooks Livraria – Espaço Itaú de Cinema – Botafogo - RJ

     

  • A ironia da liberdade de expressão: Estado, regulação e diversidade na esfera pública
    A ironia da liberdade de expressão: Estado, regulação e diversidade na esfera pública

    FGV Editora e FGV Direito SP lançam primeiro volume da coleção Liberdade de expressão

    A ironia da liberdade de expressão: Estado, regulação e diversidade na esfera pública,

    de Owen M. Fiss, ganha segunda edição em português, por meio da

     FGV Editora e FGV Direito SP | Escola de Direito de São Paulo

     

    A relação entre liberdade de expressão e democracia é inquestionável. Os termos dessa relação são controversos. Neste livro, Owen Fiss se posiciona sobre uma pergunta fundamental: afinal, a que serve a liberdade de expressão em uma democracia? A clareza de seus argumentos ensina que problemas contemporâneos urgentes de liberdade de expressão podem e devem ser tratados com profundidade e coerência.

    Esta obra, organizada por Clarissa Piterman Gross e Ronaldo Porto Macedo Junior, com prefácio de Gustavo Binenbojm e Caio Mário da Silva Pereira Neto, apresenta, de forma clara e acessível para o grande público, um debate acerca dos propósitos da liberdade de expressão relevante para diversas questões contemporâneas relacionadas à qualidade da democracia e trata de um tema fundamental para a democracia contemporânea: o papel do Estado na garantia das liberdades de expressão e de imprensa.

    Ao discutir o tema, o professor Owen Fiss aborda alguns dos mais difí­ceis e calorosos debates constitucionais enfrentados pela Suprema Corte norte-americana nas últimas duas décadas. Questões como regulação de conteúdo pornográfico, alocação de subsídios estatais para atividades culturais e regulação dos meios de comunicação de massa dividiram e continuam dividindo juízes, acadêmicos e leigos em sua interpretação da garantia das liberdades de expressão e de imprensa. Esses debates estão sendo travados neste exato momento em nosso país, sendo salutar fazer uma pausa para avaliar como foram enfrentados em outras terras.

    Mas a presente obra vai além de trazer uma perspectiva externa sobre temas polêmicos e atuais. Ao enfrentar essas questões comple­xas, Fiss identifica e disseca uma tensão de fundo que transcende o debate constitucional norte-americano. A tensão se dá entre duas concepções distintas e antagônicas de garantia das liberdades de expressão e de imprensa.

    Alguns interpretam essa garantia como uma proteção da autonomia discursiva dos indivíduos, exigindo que o Estado se abstenha de interferir na esfera individual. Outros perce­bem a liberdade de expressão como um instrumento para promoção de diversidade na esfera pública, exigindo uma atuação positiva do Estado na abertura e/ou ampliação do espaço conferido a diversos grupos no debate democrático.

    A obra de Fiss é de grande atualidade para a discussão constitucional a respeito das liberdades de expressão e de imprensa em nosso país. Ademais, ao abordar a tensão existente entre garantia e promoção dessas liberdades, o autor estabelece uma moldura analítica extre­mamente útil para a (re)discussão do papel da regulação estatal dos meios de comunicação e das atividades expressivas e culturais.

    Embora a obra de Owen Fiss não traga as soluções específicas para os novos problemas do nosso tempo, as quais terão que ser construídas pelas novas gerações, ela traz um claro horizonte ético e normativo que nos ajuda a refletir sobre os caminhos à frente, o possível papel do Estado nesses ca­minhos e os limites de sua intervenção.

            

     A coleção Liberdade de expressão visa contribuir para mitigar os efeitos destas carên­cias de reflexão teórica sobre a liberdade de expressão e seus novos temas. Ela busca introduzir ao leitor brasileiro alguns dos mais significativos textos contemporâneos elaborados por professores americanos. O conhecimento de alguns destes “clássicos contem­porâneos” da liberdade de expressão permitirá ao leitor melhor conhecer o requinte e profundidade da fecunda tradição americana sobre a Primeira Emenda de sua constituição.

  • Análise econômica do direito
    Análise econômica do direito

    FGV Editora e FGV Direito Rio lançam tradução de obra de Richard A. Posner

    ‘Análise econômica do direito’ ganha versão em português após quase 50 anos de sua publicação original

     

    A FGV Editora em coedição com a FGV Direito Rio lançam a versão em português da obra Análise econômica do direito, atualizada em 8ª edição e pu­blicada originalmente em 1973 por Richard A. Posner, que permanece uma obra de referência após quase 50 anos de seu lançamento.

    Este tratado com abordagem didática traz a análise econômica das leis e das instituições legais, ou, como é mais comumente chamada, “direito e economia” - o mais importante campo interdisciplinar dos estudos jurídicos.

    A obra difere das demais no campo de análise econômica do direito em sua abrangência (quase todo o sistema legal) e em sua ênfase nas regulamentações legais do comportamento fora do mercado - não só exemplos comuns, como crimes e acidentes, conduta corporativa e ações judiciais, mas também menos comuns (aos economistas), como dependência de drogas, roubo de obras de arte, atos sexuais, “barrigas de aluguel”, resgate no mar, profanação à bandeira, leis de direito internacional público, perdão presidencial, teorias democráticas, terrorismo e práticas religiosas. Difere, também, em seu conceito de organização, sendo estruturado sobre conceitos legais, e não econômicos. Essa abordagem permite que o direito seja visto, compreendido e estudado como um sistema - um sistema que a análise econômica pode iluminar, revelar sua coerência e, às vezes, incrementar. A explicação da economia enfatiza a unidade, a simplicidade e o poder, mas também a sutileza dos princípios econômicos. A apresentação é informal e não exige do leitor nenhuma familiaridade com a economia ou competência matemática.

    Richard A. Posner foi o primeiro a submeter a maior parte dos ramos do direito a uma análise sistemática sob a perspectiva econômica. Uma das ideias mais instigantes e controversas de Posner foi originalmente proposta neste livro: ele defende que a eficiência - definida como a maximização da riqueza - poderia explicar a estrutura da common law, pois um precedente ineficiente era suscetível de ser questionado e subsequentemente rejeitado. Consequentemente, a common law tenderia a desenvolver soluções eficientes no longo prazo.

     

    Embora controverso entre muitos estudiosos dos fenômenos jurídicos, este livro se tornou referência para todos aqueles que buscam desafiar a forma tradicional de pensar o direito.

    Com esta perspectiva em mente, a obra ganha essa versão em português, coordenada pelo professor Antônio Maristrello Porto, após um longo projeto organizado pela FGV Direito Rio.

    Disponível primeiramente em formato digital, este ebook pode ser encontrada no site da FGV Editora e nas lojas da Amazon, Apple, GooglePlay e Kobo Books. Em breve em versão impressa.

  • Além do cânone: para ampliar e diversificar as ciências sociais
    Além do cânone: para ampliar e diversificar as ciências sociais

    FGV Editora lança ‘Além do cânone’, novo livro do professor Celso Castro

    Obra pretende ampliar e diversificar as Ciências Sociais, com a apresentação de textos que trazem novas perspectivas para a compreensão da realidade social e das ciências sociais

     

    Coletânea composta de textos de 16 autoras e autores, a maioria inéditos no Brasil e traduzidos pela primeira vez para o português, ‘Além do cânone: para ampliar e diversificar as Ciências Sociais’, organizada pelo professor Celso Castro, pretende apresentar uma visão mais abrangente e diversificada das ciências sociais.

    Para marcar o lançamento desta obra, vamos promover um bate-papo com seu organizador e a participação da jornalista Mila Burns e da professora Mirian Goldenberg, no dia 22 de fevereiro, às 18h, no canal da FGV no Youtube.

    A obra busca ir além do cânone tradicional, que é formado por homens, brancos e europeus ou norte-americanos em sua quase totalidade, como os “pais fundadores” Marx, Durkheim e Weber, e traz à luz os textos de ‘mães fundadoras’, além de autores não ocidentais ou não brancos.

     

    Para o desenvolvimento deste livro, Celso Castro utilizou três critérios principais para a seleção dos textos, sendo o primeiro o de não estarem presentes nas coletâneas tradicionais das Ciências Sociais, o que revela a diversidade dos estudos; o segundo, o do pioneirismo ou do impacto que tiveram em seus contextos nacionais ou regionais, o que amplia o campo de possibilidades do cânone; e o terceiro, justificado pelas suas próprias preferências, é o da beleza e relevância que ele atribui aos textos selecionados.

     

    Assim, formulados os critérios de escolha por parte do organizador da coletânea, ela traz os textos indicados a seguir, antecedidos pelas apresentações de suas autoras e seus autores:

     

    Como observar a moral e os costumes, de 1838, da inglesa Harriet Martineau, britânica e que o organizador considera a fundadora das ciências sociais; Hierarquização fictícia das raças humanas, de 1885, do haitiano Anténor Firmin; Infância, de 1887, da indiana Pandita Ramabai; Preconceito de cor, de 1899, do norte-americano e pioneiro da sociologia urbana W. E. B. Du BoisAutoridade e autonomia no casamento, de 1912, da alemã Marianne Weber; o escrito de 1916, Preconceitos sobre a raça indígena e sua história, do mexicano Manuel Gamio; Memórias de mulheres: transmitindo o passado, como ilustrado pela história do Bebê Diabo, de 1916, da americana e segunda mulher a ganhar o Prêmio Nobel da Paz, Jane Addams; A gênese do nacional-socialismo: notas de análise social, texto de 1937, da austríaca Lucie VargaContradições culturais e papéis sexuais, de 1946, da russa Mirra Komarovsky; Teoria e psicologia do ultranacionalismo, de 1946, do japonês Masao Maruyama; Uma aristocracia africana, do ano de 1947, da antropóloga sul-africana Hilda Kuper ; Burguesia negra, de 1955, do americano E. F. Frazier; Nota sobre sanscritização e ocidentalização, de 1956, do indiano M. N. Srinivas; Ásia como método, de 1961, do japonês Yoshimi Takeuchi; Ocidentose: uma praga do Ocidente. Diagnosticando uma doença, de 1962, do iraniano Jalāl Āl-e Ah.mad e Relações centro-periferia: uma chave para a política turca?, do turco Şerif Mardin, do ano de 1973.

     

    Celso Castro afirma que conhecer esses textos, que não fizeram parte de sua formação acadêmica original, circunscrita ao canône tradicional, representou um alargamento da sua percepção em relação ao mundo das Ciências Sociais. “Espero com esta seleção ajude a formar uma geração de cientistas sociais que estudem a realidade social a partir de perspectivas mais amplas, diversas e coloridas do que aquelas que presidiram minha formação. Teremos assim cientistas sociais mais abrangentes, diversos e renovados”, explicou o autor.

     

    O objetivo da obra é a divulgação dessa diversidade de textos, ampliando o campo de possibilidades do cânone e sugerindo novas perspectivas para a compreensão da realidade social.

     

    Evento

    Webinar no canal da FGV no Youtube

    22/2/2022, às 18h

    Bate-papo com Celso Castro, Mila Burns e Mirian Goldenberg

    Link de inscrição:

  • O homem dos pedalinhos: Herberts Cukurs - a história de um alegado nazista no Brasil do pós-guerra
    O homem dos pedalinhos: Herberts Cukurs - a história de um alegado nazista no Brasil do pós-guerra

    FGV Editora lança livro sobre caso de imigrante letão no Brasil que foi acusado de crimes nazistas nos anos 1950

    Quando um imigrante no Brasil é acusado de participar da morte de milhares pessoas em seu país de origem, como o Estado brasileiro se posiciona?

    Em 30 de junho de 1950, a Federação das Sociedades Israelitas do Rio de Janeiro organizou uma coletiva de imprensa para fazer uma grave denúncia: Herberts Cukurs, o imigrante letão que inaugurara os pedalinhos da Lagoa Rodrigo de Freitas, havia cometido crimes de guerra na Letônia ocupada pelos nazistas. Dali em diante, pelos próximos 15 anos, parlamentares, imprensa, entidades civis e organizações judaicas organizariam uma ampla campanha a fim de exigir do governo brasileiro a expulsão de Cukurs do país.

    Em “O homem dos pedalinhos – Herberts Cukurs: a história de um alegado criminoso nazista no Brasil do pós-guerra”, que acaba de ser lançado pela FGV Editora, o historiador Bruno Leal Pastor de Carvalho, professor da UnB, explica como as autoridades brasileiras resolveram esse enorme imbróglio no imediato pós-guerra.

    “O livro não é uma biografia e não tenta responder se Cukurs era ou não culpado. Meu foco na pesquisa recai na posição do Estado brasileiro. Eu examinei milhares de documentos em arquivos e bibliotecas do Brasil, da Inglaterra, dos Estados Unidos, de Israel e do Uruguai. A atuação de nossas autoridades esteve longe de ser perfeita, mas é surpreendente ver o seu esforço na investigação. O Caso Cukurs mobilizou embaixadas, consulados, órgãos de segurança pública, agências de inteligência, ministérios, governos estrangeiros e cinco presidentes da República”, explica Carvalho.   

    Uma das principais contribuições do novo livro, já à venda no site da editora, é romper com as narrativas esquemáticas ou conspiratórias que costumam explicar todos os casos de alegados criminosos nazistas no Brasil. Durante muito tempo, a imprensa e a cultura de massa repetiram que Cukurs não foi expulso e nem extraditado do Brasil porque ele teria contado com o acobertamento do governo brasileiro e a proteção de redes nazistas secretas internacionais. Como os historiadores mantiveram-se afastados do tema por muito tempo, essas narrativas ganharam força e nunca foram contestadas.

    “O Ministério da Justiça indeferiu todos os pedidos de naturalização de Cukurs, o que deixou ele bastante desprotegido. Por outro lado, Cukurs nunca foi expulso ou extraditado, mas não porque ele contou com o acobertamento do governo e de redes nazistas, e sim devido a um somatório de motivos: a retórica anticomunista da Guerra-Fria, a negligência de governos estrangeiros, especialmente o da Inglaterra, problemas nas peças acusatórias, entre outros. Alguns funcionários do governo brasileiro expressaram opiniões claramente antissemitas, mas isso não explica o desfecho do caso”, diz o autor.

     

    Tramas secundárias

    O livro tem ainda o mérito de capturar várias tramas secundárias que ajudam a entender as várias dimensões do caso. Na Letônia, Cukurs lutou como na guerra de independência do país e obteve o status de herói nacional, graças aos voos de longa distância que fazia com aviões construídos por ele próprio. Quando imigrou para o Brasil, logo depois da Segunda Guerra Mundial, veio acompanhado por uma jovem judia cuja vida ele salvou dos nazistas. O caso perdurou até 1965, quando Cukurs foi assassinado no Uruguai, por agentes do serviço secreto israelense, o Mossad. Em cima do peito sem vida de Cukurs, foi deixado um bilhete com uma assinatura: “Aqueles que nunca esquecerão”.

     

    Sobre o autor

    Bruno Leal Pastor de Carvalho é professor do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB) e editor do portal de divulgação científica Café História. O livro é fruto de sua tese de doutorado, defendida em 2015, no Programa de Pós-Graduação em História da UFRJ. 

  • Cidade é patrimônio: uma viagem
    Cidade é patrimônio: uma viagem

    ‘Cidade é patrimônio: uma viagem’, da socióloga Lucia Lippi, traz as experiências sobre a vivência pessoal e as discussões mantidas pela autora em sala de aula sobre os temas de reforma urbana e patrimônio.

     

    A pesquisa realizada para a elaboração desta obra envolveu o levantamento, a leitura e a seleção de artigos, livros, teses que apresentam argu­mentos pertinentes ao tema de cada um dos capítulos do livro. Isto foi feito em um universo bibliográfico enorme que se origina em múltiplos campos do saber — urbanismo, arquitetura, geografia, sociologia, antropologia, ciência política — e que cresce continuamente.

    Esta viagem guiada por Lucia Lippi trata das reformas urbanas de Barcelona, Viena, Paris e Londres explorando a relação entre reforma, preservação e diferentes vertentes de restauração. No caso do Brasil, explora o nacionalismo arquitetônico representado pelo estilo Neocolonial, que teve na Exposição Internacional no Centenário em 1922 seu apogeu. Faz um contraponto entre antigas e novas capitais tais como Belo Horizonte e Ouro Preto e Brasília e Rio de Janeiro do início do século XX e do XXI.

    A obra, publicada pela FGV Editora, foi desenvolvida durante o ano de 2020 e este novo olhar sobre a cidade, esvaziada devido às restrições de circulação, faz parte desta análise. O enfrentamento da pandemia se apresentou como uma experiência nova no mundo atual e isto se contrapõe às demandas de mobilidade e de consagração da interação social nos espaços públicos enquanto arena fundamental da sociedade humana.

    O uso positivo da máscara também se apresenta como desafio, já que ela es­conde e desfigura os rostos que apareciam nas cidades como lugar de reconhecimento mútuo permitindo a comunicação. Além dessa interferência protetora à saúde, barreiras ao fluxo de pessoas com a interrupção dos transportes e, conse­quentemente, do turismo, despertou medos, preconceitos e paranoias no ambiente da cidade.

    Este o livro tem a função de divulgar conhecimento para um público universitário e para todos os interessados na história das reformas urbanas de algumas cidades nos séculos XIX e XX e nos desafios e soluções atualmente em voga.

    Para marcar este lançamento, a autora Lúcia Lippi se encontrará em webinar com o arquiteto e urbanista Sérgio Ferraz Magalhães e o historiador Bernardo Buarque de Hollanda, no dia 9 de fevereiro, às 18h, no Canal da FGV no YouTube.