Área de imprensa

Informações sobre autores, lançamentos e catálogo:

Horário de funcionamento: 9h às 18h

Releases / Lançamentos

  • A teoria da dependência: do nacional-desenvolvimentismo ao neoliberalismo
    A teoria da dependência: do nacional-desenvolvimentismo ao neoliberalismo

    Historiadora Claudia Wasserman lança livro sobre a teoria da dependência pela Editora FGV

    A Editora FGV acaba de lançar a obra “A teoria da dependência: do nacional-desenvolvimentismo ao neoliberalismo”, da historiadora Claudia Wasserman.  A obra conta as trajetórias de Ruy Mauro Marini, Vânia Bambirra, Theotônio dos Santos e André Gunder Frank e revela as desventuras desses intelectuais que nos anos 1960 discutiram a urgência da Revolução Brasileira.

    Perseguidos pela ditadura militar e exilados, com a anistia eles retornaram ao Brasil procurando as marcas do passado e encontrando as dificuldades para reinserção numa sociedade recém-democratizada. Esses intelectuais tiveram grande importância para a criação da Teoria da Dependência, que serviu para a investigação da realidade latino-americana.

    A pesquisa sobre suas vidas retrata as dificuldades e a solidariedade no exílio, sobretudo no Chile e no México, aborda a produção intelectual e as polêmicas que envolveram os quatro autores, e revela a disputa em torno da paternidade da Teoria da Dependência.

    Assim, esse é um estudo que mescla a obra, a militância e os percalços da vida de pessoas que estiveram no centro dos acontecimentos políticos de sua época e procuraram transformar a realidade a partir de sua participação em organizações políticas e por meio de seu trabalho.

    “A teoria da dependência” também é um livro sobre a história do Brasil e da América Latina e de como os países latinos tratam os seus melhores pensadores, mas igualmente é um resgate do brilho e da validade das contribuições desses quatro intelectuais brasileiros para o desenvolvimento do continente.

  • Universidade S.A.: as companhias de capital aberto da educação superior no Brasil
    Universidade S.A.: as companhias de capital aberto da educação superior no Brasil

    O pro­cesso de transformação das instituições de educação superior brasileiras em grandes grupos educacionais, com atuação nacional e in­ternacional, é o tema do livro Universidade S.A.: as companhias de capital aberto da educação superior no Brasil, que será lançado pela Editora FGV no dia 31 de agosto, na Livraria da Travessa de Ipanema, no Rio de Janeiro.  

    A obra, que faz parte da Coleção FGV de Bolso – Série Economia & Gestão, mostra que o setor de educação superior no Brasil teve grande valorização na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&F Bovespa) nos últimos cinco anos e tornou-se um negó­cio de excelente retorno para os investidores.

    Essas companhias de capital aberto recebem um número grande de jovens e adultos no ensino superior, aumentando a taxa de matrícula do país e tornando o contexto nacional peculiar nesse segmento: instituições de ensino supe­rior pouco profissionalizadas disputando espaço e alunos com os grandes grupos educacionais.

    Nas quase 100 páginas, os autores Paula Caleffi e Alexandre J. L. Mathias – sócios na empresa Comatrix Educação –, refletem sobre qual modelo de educação superior é ne­cessário para o país, que ainda tem uma grande defasagem de inserção da população nas universidades.

    O livro aborda ainda pontos relevantes para a discussão sobre o ensino superior no Brasil, como a distorção entre o ensino público e o privado, a inclusão do papel do gestor no processo de ensino/aprendizagem, as discussões sobre a figura do aluno como cliente e o papel das universidades S.A. no futuro da educação brasi­leira.

     

  • Direitos humanos e vida cotidiana
    Direitos humanos e vida cotidiana

    Primeira incursão da Editora FGV na área de livros didáticos, Direitos humanos e vida cotidiana, obra elaborada e publicada em parceria com a Escola de Direito de São Paulo da FGV, Direito SP, trata, em linguagem direta e com abordagem de casos concretos, os conceitos fundamentais dessa área, que abrange tantas outras.

    Destinado aos docentes e estudantes do Ensino Médio, mas acessível  e indicada ao público em geral, o livro está inserido numa perspectiva de educação em direitos humanos, apoiada pelas Diretrizes Nacionais para Educação do Ministério da Educação, e pretende contribuir na consolidação de uma cultura sobre esses direitos, voltada para a formação e fortalecimento de valores que envolvem ética, tolerância, solidariedade, aceitação das diversidades e a erradicação de atos de preconceito, violência, discriminação, desigualdade e abuso.

    A educação nesta área, mesmo que não relacionada diretamente a uma disciplina obrigatória, vai despertar ou desenvolver nos alunos e professores da Educação Básica a noção de que, individual ou coletivamente, toda a sociedade é capaz de crescer e reinventar o mundo, com bases mais justas, e não apenas repetir os erros recorrentes na história.

    Leitura obrigatória, mesmo que não exigida na grade curricular, que complementa o ensino das ciências humanas e amplia as discussões nas salas de aula e nos lares brasileiros.

    Direitos humanos e vida cotidiana, que chega num momento oportuno para a sociedade como um todo, aproxima o entendimento da nossa capacidade de indignação, relacionada à primeira matéria, ao que vivemos diariamente num país polarizado e em crise, mas que busca novas alternativas para a igualdade social.

     

  • Macroeconomia
    Macroeconomia

    Professor titular da Escola Brasileira de Economia e Finanças (FGV EPGE), o economista Fernando de Holanda Barbosa, lança o livro Macroeconomia. Com objetivo de apresentar os diferentes modelos dessa vertente da economia, a obra apresenta os principais modelos de crescimento econômico, de flutuação econômica e de determinação do nível de preços.

    O livro expõe modelos como keynesiano, crescimento econômico da economia aberta, sustentabilidade da dívida pública e da dívida externa, inflação crônica e hiperinflação, entre outros.

    Cada modelo é especificado com uma abordagem matemática idêntica: os sistemas dinâmicos de equações diferenciais. Estes sistemas permitem uma análise bastante simples do equilíbrio, da estabilidade e da dinâmica comparativa dos modelos.

    Organizado em quatro partes, o livro é segmentado em modelos de preços flexíveis; modelos de preços rígidos; e modelos de políticas monetárias e fiscais. O livro apresenta uma melhor compreensão dos modelos de ciclo e de crescimento econômico, das agendas, mas também permite a comparação das previsões de cada um desses modelos.

    A obra tem um capítulo dedicado exclusivamente à restrição orçamentária do governo, o arcabouço teórico adequado para a análise das patologias da não sustentabilidade da dívida pública e da hiperinflação. Portanto, é mais do que indicada para compreender as crises econômicas vividas pelos países da América Latina. 

  • Memórias digitais: o estado da digitalização de acervos no Brasil
    Memórias digitais: o estado da digitalização de acervos no Brasil

    Os acervos de instituições de memória - como bibliotecas, museus e arquivos - promovem acesso ao conhecimento, à educação e à cultura. E a tecnologia veio para ampliar o acesso do público a esses documentos. O novo livro da Editora FGV em parceria com a FGV Direito Rio, “Memórias Digitais: o estado da digitalização de acervos no Brasil”, traz reflexões sobre os pontos positivos e negativos a respeito da digitalização desses acervos no Brasil.  

    Escrito por Bruna Castanheira, pesquisadora do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV Direito Rio (FGV Direito Rio/CTS), e Mariana Giorgetti Valente, doutoranda em direito pela USP, a publicação é fruto de um projeto do CTS para examinar temas fundamentais à digitalização de acervos no país: tecnologia, padrões e metadados; direito; políticas institucionais e financiamento.

    Nesse contexto, o livro apresenta os principais desafios enfrentados para a digitalização de acervo por meio de artigos de renomados profissionais que trabalham com instituições de memórias, em suas mais diversas esferas e em experiências internacionais relevantes. Entre outros temas, são abordadas questões sobre o financiamento de acervos, direitos autorais, políticas públicas para digitalização e preservação de acervos.

    Para as especialistas, a superação dos desafios apontados no livro pavimentará o caminho rumo à democratização do acesso ao conhecimento. “O desenvolvimento das tecnologias digitais e das renovadas formas de comunicação pela internet traz a possibilidade desses acervos serem divulgados e chegarem a mais pessoas, acabando com limitações geográficas e, consequentemente, financeiras”, avalia Bruna Castanheira.

    O livro é um esforço de oferecer um panorama geral de questões de interesse a quem esteja refletindo sobre acervos digitais ou embrenhando‑se em um projeto de digitalização. 

  • Livros didáticos de história: entre políticas e narrativas
    Livros didáticos de história: entre políticas e narrativas

    Editora FGV lança obra que discute os livros didáticos de História

    Os livros didáticos são a principal fonte de informação dos jovens desde que entram na escola; porém, muitas vezes, os conteúdos dessas obras são questionados por especialistas e também pela mídia. Pensando nesse viés, a Editora FGV lança na próxima segunda, 17 de julho, no Rio de Janeiro, a publicação “Livros didáticos de História: entre políticas e narrativas”.  

    Organizado pelos professores Helenice Rocha, Luiz Reznik e Marcelo de Souza Magalhães, estudiosos de longa data sobre o ensino de História no Brasil, o livro foi fruto de anos de investigação de grandes especialistas na área e vem para apresentar reflexões sobre o ensino de História nas escolas do Brasil.

    Logo na primeira parte, “Políticas públicas para o livro didático de História”, os autores recapitulam as políticas estatais em relação aos materiais escolares, que atingiu novos patamares com a criação do Programa Nacional do Livro Didático. O leitor tem a oportunidade de acompanhar a trajetória do Programa a partir das análises daqueles que, em diferentes momentos, se envolveram com a sua formulação.

    Por elaborarem uma narrativa sobre o passado remoto, mas também sobre o passado recente, que tende a repercutir de forma mais apaixonada e direta sobre os brasileiros, os livros didáticos de História, especificamente, estão entre os mais visados pela crítica pública, em especial a jornalística, que representa a posição de determinados segmentos da sociedade.

    Assim, as críticas feitas na imprensa aos livros didáticos repercutem diretamente sobre os governantes e as políticas públicas de educação, pondo em xeque até mesmo a validade e os métodos adotados em tais políticas.

    Os livros didáticos de História se tornaram objeto de disputa social pela narrativa válida, especialmente no que se refere ao tratamento conferido a determinados conteúdos curriculares. Em síntese, de um lado, o da crítica social, temos as políticas públicas para o livro didático que precisam considerar tais críticas como expressão da sociedade para a formulação de suas ações. De outro, o objeto concreto das diferentes críticas: o que dizem os livros didáticos de História.

    Esses dois lados consolidam os eixos estruturantes deste livro e do projeto que o originou: as políticas públicas para o livro didático e as narrativas que constituem os textos dos livros didáticos de História.

     

    Serviço

    Lançamento Livros didáticos de História: entre políticas e narrativas”

    Data: 17/07

    Hora: 19h

    Local: Blooks Livraria – Praia de Botafogo, 316 – Botafogo – Rio de Janeiro

    Organizadores: Helenice Rocha, Luiz Reznik e Marcelo de Souza Magalhães

    Páginas: 288